Philip Seymour Hoffman (1967 - 2014)

Hoje o cinema se despede de Philip Seymour Hoffman (e também da morte trágica do cineasta brasileiro Eduardo Coutinho).

Hoffman foi encontrado morto em seu apartamento em NY. De acordo com informações reveladas por dois policiais à agência de notícias Associated Press, o corpo de Hoffman foi encontrado por um amigo, que ligou para o serviço de emergência por volta das 11h15 locais (14h15 em Brasília). O ator ainda tinha uma seringa espetada no braço quando a polícia chegou, o que levanta suspeitas de overdose. Ainda segundo a agência, envelopes de plástico contendo uma substância que aparentava ser heroína também foram encontrados no local e enviados para testes em laboratório.

No passado, Hoffman reconheceu publicamente ter tido problemas com drogas após se formar na escola de artes dramáticas da Universidade de Nova York (NYU), mas que voltou a ser sóbrio após um período na reabilitação. “Foi tudo aquilo (drogas e álcool), sim. Tudo em que eu pudesse por minhas mãos… eu gostava de todas elas”, disse em entrevista em 2006 ao “60 Minute”. Segundo o site “TMZ”, o ator voltou a ser internado em maio passado em uma clínica de dependência por uso de heroína.

Phillip Seymour Hoffman deixa três filhos, todos frutos de seu longo relacionamento com a figurinista Mimi O’Donnell.

Hoffman venceu em 2005, um Oscar por sua atuação em “Capote”

+ Com informações do UOL Cinema.

Uncategorized

Philip Seymour Hoffman (1967 – 2014)

Imagem
Livros, Resenhas

“O Bastardo da Rua 45” de Caio Fernando Cuellar

O_BASTARDO_DA_RUA_45_1352579299P

Ás vezes, o passado é uma coisa que não conseguimos esquecer. E, ás vezes, o passado é algo que faríamos de tudo para esquecer. Mas, ás vezes, descobrimos algo novo sobre o passado que muda tudo o que sabemos do presente” (Shonda Rhimes, criadora de Grey’s Anatomy)

Preciso confessar, foi um dos melhores livros nacionais que já li em todo o meu tempo de leitor. Tem humor e muito, muito, muito drama, e muito sincero.

Continuar lendo

Padrão
Livros, Menu principal

“Assassinato no Expresso do Oriente” de Agatha Christie

Assassinato no Expresso do Oriente

Este é o segundo livro que li da Agatha Christie, o primeiro foi Morte no Nilo (assim que relê-lo eu faço resenha), e já é fato  considerarem a ela como a rainha do crime, é inegável que Agatha Christie consegue nos prender logo nos primeiros minutos de leitura, sua escrita extremamente ágil e simples prende o mais leigo dos leitores. Sua engenhosidade nas tramas é incomparável e surpreendente. E Assassinato no Expresso do Oriente também se encaixa no fator surpresa e é dos mais inesperados e inimagináveis.

Continuar lendo

Padrão